+Um espetáculo e um disco espetacular Levei meus pais ao show de Lila Downs e eles me levaram ao balé "Um Baile na Roça" do Corpo de Baile do Teatro Municipal. Confesso que provavelmente entendo mais de manutenção preventiva de disco voador¹ do que de balé, mas adorei o programa. O bailado foi concebido sobre quadros de Portinari, enquanto os bailarinos reconstruiam formas as luzes o faziam com as cores telúricas dos quadros de Portinari. Um dos quadros me deixou realmente impressionado: uma bailarina dançava dentro de um aquário, com a graça de uma sereia, pelo menos do que imaginamos que uma sereia deva ser. Ela ficava longo tempo submersa e aquilo realmente me angustiava. Eu contava os segundos de mergulho enquanto dividia a atenção com a coreografia que rolava no resto do palco, em que os bailarinos realizavam movimentos que pareciam contrariar tudo o que a gente aprendeu de física. Certamente para ser bailarino você tem que aprender a fazer uma tremenda força, com graça, sem fazer cara feia. Grande espetáculo. Estou ouvindo o disco "Jobim Sinfônico" gravado por músicos da OSESP e convidados ao vivo na maravilhosa Sala São Paulo e editado pelo selo Biscoito Fino. Album duplo maravilhoso. Não canso de ouvi-lo.

¹sei, por exemplo, que a rebimboca estriolada do fuzepingue tem que ser trocada a cada cinco milhões de anos luz ou dois anos subjetivos, o que acontecer primeiro, caso contrário a garantia do fabricante expira. É o que diz o manual.