+Aos poucos, as pérolas do Zé Miguel Meninos, nós vimos! Graças à bondade de Cibele que comprou os ingressos enquanto eu enfrentava cento e oito quilômetros da pista ensaboada da Via Dutra pude ver o show de Zé Miguel Wisnik (piano e voz, inclusive à capela!), acompanhado de três músicos da pesada (infelizmente só lembro o nome do onipresente Swami Jr. com sua guitarra frameworks mais violão e baixo), um baterista excelente, com um toque delicado e uma manha com as vassourinhas de dar gosto, um garotão num Korg e acordeon e as vozes de Ná Ozzetti e Jussara Silveira. Essas duas brincam com a voz. Fizeram dueto em terça como se não fossem uma Paulistana e uma Bahiana mas duas caipiras de Tatuí ou Piracicaba. E as canções! As letras super poéticas (incluindo uma receita de Alice Ruiz) as melodias delicadas. Pérolas mesmo. Jogadas aos poucos. Em mais de um sentido, pelo tempo que durou o show, estivemos no paraíso (e no Paraíso, onde fica o SESC Vila Mariana).