2004-03-08 16:32:08 Paulo Quando morei aí me dava o maior prazer em passar na consolação e ver esses paineis. É uma pena vê-lo assim... É como uma casa do século XVIII na floresta da Tijuca que estou acompanhando sua destruição, não fazem nada, veja: http://www.photografe.com.br/olhov.htm 2004-03-08 20:03:31 danton Paulo, acredito, mas não garanto que os estragos nesses mosaicos não são obra de vândalos mas causados pela fadiga provocada pela vibração da passagem dos trens. 2004-03-16 19:08:24 Gougon Caro Danton, Encaminhei suas fotos e meus comentários à Superintendência do Metrô e à Folha de S. Paulo. A Folha, eu não sei o que fez com minha mensagem, mas do Metrô recebi ontem a seguinte mensagem:
Caro Sr. Henrique,

O senhor tem toda a razão. Realmente, a obra que a Tomie Ohtake, realizou para a Estação da Consolação, "As quatro estações" precisa de restauro, mas, nós da Cia do Metropolitano de São Paulo já entramos em contato com a artista, e somente após o aval dela poderemos repor as pastilhas da Vidritil mas antes precisamos reestruturar os painéis que estão ficando curvados devido ao calor do túnel. Sem autorização da Tomie Ohtake, o restauro bem como a manutenção não podem ser feitos.

Estamos no aguardo. Assim que tivermos mais notícias, a respeito entraremos em contato.

Atenciosamente,


Ingrid Giovannini Campos
Coordenadora de Ação Cultural

--------------------------------------------------------------------------------
Obrigado por sua atenção, Danton,
cidadania acho que é por aí.
Essas coisas às vezes funcionam. Sou estudioso de arte musiva (dos mosaicos) e no ano passado fiquei chocado com um painel no Rio de Janeiro, tombado pela Prefeitura, de autoria do artista Paulo Werneck, que estava sendo atingido pelos respingos de argamassa, jogadas por pedreiros que consertavam uma rampa no Edif. Marquês de Herval, na Av. Rio Branco, e jogavam o excesso sobre o painel! Fotografei no ato e enviei um e-mail para o jornal O Globo, do Rio. Era para ser apenas carta ao leitor, mas o Globo foi além: levou a queixa ao Serviço de Patrimônio da Prefeitura que, na mesma hora, embargou a obra e determinou a limpeza do painel. E a mazela virou notícia, sendo publicada com destaque.
Valeu. Um abs. Henrique Gougon
2004-03-17 08:11:36 danton Interessante, não tinha me ocorrido qeu a alta temperatura da estação tivesse algo a ver com isso. Que vergonha, sendo engenheiro deveria ter pensado nisso, tão simples, esquenta, dilata, deforma, concentra tensões, pastilhas caem. Bom saber que o Metrô está preocupado, mas pelo jeito a solução é, além do trabalho de restauração, botar para funcionar a ventilação forçada da linha da Paulista, cujas estações são verdadeiros fornos.