+Mamãe, a velhinha maluca do violino -Domingo nóis fumo num samba no Bixiga, Na rua major, na casa do Nicola...
- Adoniran Domingo fomos ao Bar Brahma no centro velho de São Paulo, idéia de minha mulher, Fátima. Fomos Fátima, Alice, nossa filha, meus pais, Anna e Rubens, 81 anos cada, e eu. Enquanto esperavamos pelo show dos Demônios da Garoa e saboreavamos uns petiscos, vieram uns músicos tocar de mesa em mesa. Violino, violão e acordeão, por vezes acompanhando o canto em voz barítono de um dos diretores da casa. Pois não é que quando os músicos vieram à nossa mesa Dona Anna pediu o violino emprestado e saiu tocando Rapaziada do Braz, uma valsa clássica de São Paulo! Mamãe toca muito bem, embora atualmente o esforço lhe seja doloroso, tanto pelas articulações da mão quanto pelo movimento do braço direito, prejudicado por uma recente cirurgia, uma mastectomia devida a um cancer no seio, mas a vontade de tocar superou qualquer incômodo e ela mandou bala na valsinha, acompanhada pelo violão. Foi o maior sucesso, a véia foi aplaudida de pé, cumprimentada pelos músicos, pelo maître, garçons e outros fregueses do bar! Legal, né?