+Clara Crocodilo ataca novamente! Sim, o perigoso facínora, o marginal, o inimigo público número um atacou ontem no Teatro Sérgio Cardoso. O programa foi dividido em duas partes, na primeira dois pianos, depois reforçados por um sax, fizeram uma rapsódia com várias peças de "Clara Crocodilo", como "Diversões Eletrônicas", minha favorita e já uma homenagem a Itamar, porque o riff que marca toda a peça é dele, "Office Boy" e, finalmente, completa, a própria "Clara", com vocal de Arrigo. A primeira parte fechou com "Sabor de veneno" com os dois pianos e um sax barítono. A segunda parte foi a missa em homenagem a Itamar Assumpção, pela Jazz Sinfônica mais doze vozes. Uma peça que me pareceu complicada para o regente, por causa de várias entradas de solistas, os trechos em fuga, e muita percussão. As seis partes da missa continham várias referências, bem sutis, à obra de Itamar. Já no Kyrie uma homenagem bem explícita: enquanto as vozes entoavam a fórmula em grego, duas solistas costuravam em fugato Benedito João dos Santos Silva Beleléu, Vulgo Nego Dito, Nego Dito cascavel, está no céu, repetido como se fosse um mantra. Foi emocionante.