+Buracos, buraquinhos e buracões Não me lembro de outro tempo em que as ruas e avenidas de São Paulo estiveram tão esburacadas como agora. A Avenida Waldemar Ferreira que pego para ir à USP, pelo menos uma vez por semana, tem imensas crateras, especialmente no trecho vizinho à obra do Metrô. O pessoal do Metrô de vez em quando entorna concreto nos buracos, mas os buracos lá parecem as cabeças da Hidra de Lerna, mata um, aparecem dois! As marginais estão com o asfalto ondulado e não se anda cem metros sem encontrar um buraco ou rachaduras e falhas no asfalto por onde a água da chuva vai penetrando para fazer novos buracos. São Paulo, no seu 451º aniversário, virou um imenso queijo suíço. Mas sejamos otimistas, o número de buracos tende a diminuir, pois eles vão coalescendo e, em breve, a cidade terá um único - e gigantesco - buraco. Alguém aí quer trocar um jipe por um Honda Civic, usado mas em bom estado (por enquanto)?