+Jornalismo ou da arte de falar besteira impunemente Leio hoje na Agência Estado, citando The Times, que a Terra pode atrair asteróide para colisão em 2034, em que se levanta a possibilidade do 2004MN4, um calhau de 320 metros de diâmetro venha a se chocar com a Terra depois de ter sua órbita fortemente modificada após uma passagem próxima em 2029. Fui conferir no sítio da NASA que trata de objetos próximos e estuda as possibilidades de colisão, o programa NEO do Jet Propulsion Lab, ligado ao Caltech e leio que our current risk analysis for 2004 MN4 indicates that no subsequent Earth encounters in the 21st century are of concern. A notícia tem um tom alarmista que eu não esperava encontrar na Agência Estado, ainda mais contradizendo o press release do NEO. O artigo jornalístico ainda fala em mandar uma missão de astronautas ao espaço para marcar o asteróide em 2012, quando este se encontrará a uma distância de cerca de 17 mil quilômetros da Terra. Temos duas coisas aí, o site o NEO nem menciona um encontro em 2012 e um bólido desses passando a 17 mil quilômetros é praticamente uma colisão. Imaginar uma missão tripulada para marcar o asteróide, isto é, colocar lhe um rádio farol, está muito mais para filmes trasheira tipo Armageddon do que para a engenharia de verdade. Por essas e por outras é que reluto muito em engolir o que a imprensa leiga publica sobre ciência e tecnologia. Se numa área que eu conheço graças a alguns anos trabalhando no INPE, falam esse monte de baboseiras, o que posso dizer de áreas como biotecnologia, que eu não conheço? E é sobre artigos com essa qualidade que as pessoas se posicionam em relação à questões como clonagem, trasngênicos, programa espacial, etc.