+Parada nem um pouco gay e nova Livraria Cultura A parada está ficando inviável na Avenida Paulista. Gente demais, policiamento de menos, um paraíso para batedores de carteiras e meliantes do tipo. Fui até a estação Consolação encontrar o casal de lésbicas Déia e Lan, amigas de há alguns anos. Logo desistimos de ficar por lá, mas precisamos da força de um scram de rugby para sair da muvuca e chegar até a mais civilizada Livraria Cultura no Conjunto Nacional. Ah, a nova loja da Livraria Cultura é um templo para quem gosta de livros, especialmente para quem gosta de fuçar e cheirar os livros antes de comprá-los. Encontrei o Marco Antônio, meu personal bookseller que parece que já leu todos os livros da área técnica. Quer comprar um livro de informática e não sabe bem por onde começar? Pergunte ao Marco. Chegando à livraria, Déia percebeu que a carteira da namorada que ela carregava havia sumido. Claro que a primeira hipótese foi de que foi batida por algum lanceiro na multidão, corre fazer BO, cancelar os cartões de crédito, etc. Pobre Lan, que, professora, ainda tinha que voltar para casa para corrigir provas. Alguns dias depois alguém encontrou a carteira e a devolveu. Faltavam alguns cartões (já cancelados) mas quase tudo estava lá. Que susto.