+A poderosa tinta chinesa Um frasco de tinta Hero High Carbonic Há pouco menos de uma semana troquei a tinta de minha caneta Parker Frontier da tradicional Quink azul para a Hero High Carbonic importada da China. Sempre tive respeito pelo material de escrita chinês, geralmente bom, bonito e barato. Certamente ter material escolar de qualidade e a preço de lichia (banana é caro na China) é um fator importante para o boom econômico chinês. Mas estou aqui para falar da tinta. Ela é densa e deixa um traço forte que, de acordo com o tipo do papel, varia de um cinza escuro de grafite até um preto brilhante que parece de tinta nanquim. Eu tinha um certo receio de que a tinta Hero viesse a entupir minha caneta, mas depois de algumas consultas ao Google por experiências de outros aficcionados por canetas-tinteiro, o medo se dissipou. É curioso que a atitude de escrever muda com a tinta que usamos. Com a azul da Parker parecia que se pedia desculpas ao papel por maculá-lo, enquanto com a preta da Hero parece até que o papel se torna submisso e implora pela tinta. Também tive a impressão de maior fluidez no escrever, é provável que a tinta chinesa seja mais lubrificante do que a americana. Por fim, tenho um argumento técnico em favor da Hero: o pigmento carbônico não desbota quando exposto ao Sol. Dessas coisas os chineses entendem, afinal, quem foi mesmo que inventou o papel?