+Adeus ao Gigante A primeira vez que vi o Gigante Brazil foi há décadas atrás quando ele tocava bateria na banda Isca de Polícia junto com Itamar Assumpção, Paulo Lepetit, Luiz Chagas, Vange Milliet e participantes eventuais como o onipresente trombonista Bocato. Muito tempo depois tive o prazer de conhecê-lo mais de perto. Um cara cujo tamanho justificava o apelido, de uma alegria e bom humor contagiantes e de fina e esperta elegância. Como disse a baixista Natalia Mallo, um gentleman. Pois é que segunda feira passada o Gigante morreu. Soube pela Internet! Para lembrar um pouco do jeito meio moleque dele, aí vai uma foto que fiz dele e Ceumar brincando de King-Kong diante de um poster da Galeria Olido. Gigante Brazil (in memoriam) e Ceumar