+Dia Internacional da Mulher? Dia 8 foi o dia Internacional da Mulher. Acho engraçados esses feriados para agradar "minorias", o que pensar dos outros 364 dias do ano? Do alto de meu apartamento na Paulista, depois de voltar da feira e enquanto começava a juntar os ingredientes para fazer um bom bacalhau com natas não pude deixar de observar a arregimentação para a passeata das mulheres na Praça Oswaldo Cruz e na Avenida. Com as janelas abertas era impossível deixar de ouvir as palavras de ordem berradas em altofalantes de péssima qualidade (por que sempre são?), algumas muito pertinentes como pelo aborto legal e seguro e outras nem tanto, uma falando de uma tal CPI que eu não entendi bulhufas dada a já mencionada qualidade do som. Bandeiras de vários partidos da esquerda fajuta que proliferam no Brasil, PT, PCdoB, PSoL, todos lá tentando instrumentalizar a manifestação para a campanha da companheira Dilma, afinal ela é mulher. Aposto dois tostões que quando a campanha esquentar virão com o papo de que mulher deve votar em mulher, essa coisa burra de alinhamento automático. Entre as bandeiras algumas da Palestina. Pergunto-me o que a Palestina tem a ver com o Dia Internacional da Mulher? OK, há mulheres morando (e sofrendo) lá, mas também as há em Darfur e não havia qualquer palavra de ordem contra o governo Sudanês. Fora que pelos costumes vigentes na Palestina com relação às mulheres, seria muito mais o caso de denunciar do que de apoiar. Essa tal de esquerda é muito esquisita mesmo. Aliás, com uma esquerda assim, quem é que precisa de direita? Pela TV soubemos que havia oitenta e tantas entidades organizando o evento. Quando a passeata começou a realmente se mover ocupava só duas faixas de trânsito e três quadras, se muito! Oitenta entidades para uma passeatinha pífia dessas quer dizer que somente a militância mais aguerrida mesmo é que estava lá. Nem pensar em comparar com a parada gay, que lota a Avenida de ponta a ponta. Minha veia anarquista me deu a idéia de sair com um carro aberto com um megafone gritando vão lavar roupa, suas vagabundas!. Minha mulher quase morreu de rir quando contei a idéia, que evidentemente não pus em prática, caso contrário não estaria aqui teclando estas bobagens.