+Coisas da Educação (ou de sua falta) =Volver a los 17 - I Descobri no noticiário do Estadão que meu professor de Cálculo no primeiro ano da Poli, o Chico Miraglia, agora é candidato a reitor da USP. =Volver a los 17 - II Depois de uma longa agonia em uma sala de UTI morreu Mercedes Sosa, a poderosa voz de contralto de nossa juventude. A nueva canción fez das milongas de gaúchos dos distantes pampas o grito contra as malditas ditaduras que enlamearam e ensanguentaram - e em sentido nada figurado - a América Latina. =A farofa do ENEM Que palhaçada, hein? As provas do ENEM vazaram e um mané tentou vender a prova para uma jornalista do Estadão. O vazamento ficou patente e o MEC teve que cancelar a prova, e admitir o amadorismo com que esse exame que pretende substituir os vestibulares vem sendo administrado. Note-se que se os manés em questão se limitassem a vender a prova vazada para uns poucos candidatos, o vazamento nunca teria sido detectado. Uma das razões para a precariedade da coisa toda é a maldita lei 8666 que regula as compras do governo. Hoje é praticamente impossível criar um edital que faça com que picaretas deixem de participar das licitações e ganhá-las com preços imbatíveis. Os órgãos de governo que lançam editais se pelam de medo de critérios de desclassificação técnica, pois praticamente toda licitação que envolve critérios técnicos tem seus resultados contestados na justiça. O resultado é que o governo sempre compra o mais barato e, como verificou na prática, o barato sai caro. Além disso o MEC foi extremamente displicente, deixando na mão da contratada a segurança do processo. Deu no que deu.